25/11/2015

A faminta lagartinha












Uma faminta lagartinha,
devora com vontade,
as folhas de maracujá rapidamente.

Mal as folhinhas nasceram,
ainda estão pequeninhas,
e a levada mocinha,
sacia sua fome ansiosamente.

Nem deu tempo de florir,
os brotos acabaram de nascer,
mas nada se pode fazer,
afinal a lagartinha,
logo virará uma crisálida,
e depois se tornará,
uma linda borboletinha.

Voará para todos os lados,
encantando as pessoas,
com leve e alegre bailado.

A natureza é sábia,
para tudo há sempre uma razão,
o que para uns é destruição,
para ela é renascimento e transformação!


Elza Ghetti Zerbatto

Texto publicado em 04/01/2013 no Recanto das Letras

imagem: www.baixaki.com.br

Um comentário:

  1. Linda poesia e minha Alice adora lagartinhas , principalmente quando debulha feijão verde. No meu blog tem poesia flores ofertadas pra combinar com o habitat da sua lagartinha. Bjs

    ResponderExcluir


Comentários edificantes são sempre bem-vindos!
Comente, deixe seu link, me siga e retribuirei sua gentileza.
Obrigado a todos.

Revoada de andorinhas

Uma revoada de andorinhas, pelo céu branco a movimentar. Subindo e descendo felizes, fazendo círculos no ar. Um belíss...