24/05/2018

Romantismo na natureza



















 Um meigo golfinho nariz de garrafa,
 retira algas com seu focinho,
 para dar graciosamente á sua amada,
 em uma tentativa de conquistá-la.

 Um ato de romantismo na natureza,
 único entre o reino animal,
 e presente entre os humanos,
 porém somente aos mais sensíveis.


Elza Ghetti Zerbatto







 imagem: https://pt.dreamstime.com/










17/05/2018

Vitor e a chuva















Vitor é um garotinho de apenas 4 anos.
Inteligente, curioso, que adora a natureza observar.
Um dia estava na janela de seu quarto, olhando para o céu quando de repente escureceu.
Ele saiu correndo, tremendo e chamou sua mãe.
- Mãe, tô com medo. Tá chovendo muito e tá cheio de luz lá no céu.
- Calma Vitor,  é assim mesmo. - responde dona Flora.
- Mãe o que é essa luz toda no céu?
- São os raios e trovões que acompanham a chuva. - diz dona Flora.
- Mãe, como é que a chuva nasce?
A mãe sorri e responde:
- Meu querido é muito simples. - responde dona Flora.
- Você pode me explicar? - pergunta Vitor.
- Claro! Vamos lá! - responde dona Flora.
- Sabe a água que a gente toma banho, lava roupa, casas e tantas outras coisas? - pergunta dona Flora.
- Sei sim mamãe. - responde Vitor.
- Ela evapora, ou seja vira vapor, que é uma fumaça, vai para o céu e encontra-se com as nuvens de água que  já existem lá.
- Depois volta para a terra molhando tudo novamente. O ar frio encontra o ar quente, e derruba a água para cá em forma de pingos de chuva. 
- Quer dizer que a água lá de cima já morou aqui embaixo?  - indaga Vitor.
- É verdade filho. É isso mesmo. - responde  a mãe.
- Mas e as águas dos rios, praias e cachoeiras mamãe? 
- Por que elas não evaporam? - pergunta Vitor.
- Elas são sempre conservadas pela chuva e seu ciclo e também evaporam. - responde a mãe.
- Mas elas podem brotar também do interior da terra que conserva-as guardada. - continua a mãe.
- Nossa mamãe que legal! - diz Vitor.
- Mas será que a água de nosso planeta pode um dia acabar mamãe? - pergunta Vitor
- Infelizmente pode sim meu querido. - diz a mãe.
- Nossa que coisa mais triste mamãe! - diz Vitor.
-E com isso acabaria a vida aqui na Terra?  - pergunta Vitor.
- Sim filho. Sem água limpa, ninguém consegue sobreviver. - diz a mãe.
- O ser humano, os animais, as plantas, enfim toda natureza depende dela para existir. - diz a mãe.
- Nosso corpo é formado de 75% de água dentro dele. - diz a mãe.
- Sem ela morremos e é por isso que é importante a gente cuidar direitinho dela e nunca desperdiçá-la. - diz a mãe.
E Vitor ouve tudo atentamente, só pensando em cada palavra que sua querida mamãe diz.
- Agora entendo mamãe como a água é importante.Vou avisar meus amiguinhos para a gente não deixar ela acabar. - diz Vitor.
- É isso mesmo filhinho. - diz dona Flora.
-Vamos incentivar todos, para ajudar cuidar da nossa amiga água. - diz dona Flora.
- A natureza e nosso planeta agradecerão! - diz dona Flora.



Elza Ghetti Zerbatto



imagem: www.baixaki.com.br

08/05/2018

Concurso Internacional MICA tema: Portas e janelas do meu país












Concurso Internacional Arte pela Paz 19ª Edição



Para crianças e jovens de 4 a 16 anos
MICA - Movimento Infanto Juvenil Crescendo com Arte
Museu Florestal Octávio Vecchi
São Paulo - Brasil

Professor(a) - Instituição: Realize uma pesquisa com seus alunos sobre o tema

tendo como objetivos o conhecimento,as importâncias históricas, cultural e social, e a valorização artística, das janelas e portas de seu país.
Dê preferência ás janelas e portas de sua cidade.
E que as portas e janelas escolhidas representem sempre limiares para a paz.
Crianças e jovens devem ser estimulados a preservar o meio ambiente, a responsabilidade social e, acima de tudo, a paz.
Não há paz, onde não há qualidade de vida.






Por favor, divulgue este concurso para crianças e jovens de sua família, amigos, colegas de trabalho,
vizinhos, professores, escolas, instituições que atendem crianças e jovens.
O trabalho também pode ser enviado em nome de um condomínio, em nome de uma empresa (os filhos e parentes de funcionários), clube, academia, biblioteca, hospital, ou individualmente.



Regulamento em português:
https://artmica.blogspot.com.br/p/portas-e-janelas-do-meu-pais_73.html






Rules in english
https://artmica.blogspot.com.br/p/international-contest-2018.html




Fotos e textos pertencentes ao blog do MICA, e copiados integralmente para fins únicos de divulgação, com a autorização da proprietária do blog Maria José Canária.







03/05/2018

Que barulho é esse?














                                                       








                                                                      







No degrau da porta da cozinha,
a curiosa Afrodite,
olhou, olhou,
procurando intrigada,
de onde vinha o barulho insistente.

A vovó logo notou,
o causador da admiração.

Logo em seguida então o Posseidon apareceu,
para ver o que estava ocorrendo.

O onomatopéico som,
ritmado e constante,
vinha da máquina de lavar,
que estava operante e falante.

Depois do mistério ter sido esclarecido,
Afrodite e Posseidon foram embora,
e a vovó aproveitou para escrever,
mais uma aventura de seus netinhos.

Elza Ghetti Zerbatto


Afrodite de cachecol, á sua direita está o Helio,  e Posseidon de cachecol vermelho abaixo.

27/04/2018

O tímido besourinho vermelhinho


















A bruxinha estava molhando,
as plantinhas de seus vasinhos,
e curiosa como é notou,
que entre as ervas,
trevos e pés de tomates,
estava um besourinho vermelhinho,
escondidinho nas folhinhas,
do pezinho de quebra-pedra.


Gracioso, e brilhante,
destacava-se entre o verde exuberante,
das alegres e bem cuidadas folhagens.

O que será que o rapazinho veio ali fazer?

Estará a buscar uma deliciosa refeição,
ou como é muito tímido,
ficará quietinho em seu cantinho,
para que ninguém possa o notar?


Elza Ghetti Zerbatto


imagem: www.flickr.com

18/04/2018

O gatinho branquinho













Esticado no murinho,
dormindo alongadinho estou eu,

o preguiçoso gatinho branquinho.

Se um barulhinho você fizer,

eu posso até olhar,
porém não por muito tempo,
pois meu soninho está a me embalar.



Sonho entre minhas aventuras,
que um inseto vou pegar.



Quando acordo todo formoso,
meu corpinho vou alongar.



Despertei e agora o que fazer?



Acho que no telhado vou saltar.


Viro o pescocinho assustado,
quando ouço um barulho muito forte,
mas não é tão importante,
puxa, como tenho sorte!


Desvio do bravo cão,
sai correndo ligeiro,
mas não se preocupe,

pois o perigo é meu parceiro.


O leitinho é uma refeição que me atraí,
e ao tomá-lo sinto-me como um leão poderoso!


Hum, como é gostoso!

Ainda sou pequeno e indefeso,
e a curiosidade me atraí,
tudo o que está ao meu redor me distrai.



Bem, se não tenho mais nada para fazer,
retorno ao meu delicioso soninho,
pois como todo filhote,
dormir para mim é um carinho!



Elza Ghetti Zerbatto


Poesia integrante do livro Jardim das poesias e contos infantis, publicado pela Editora Mago de Oz em 2016 na 24ª Bienal de São Paulo.




Adquira seu exemplar com esta, e mais outras estórias, deixando seu comentário e e-mail de contato nesta página.
Frete grátis para a grande São Paulo.



10/04/2018

O pardalzinho curioso

















No muro do quintal,
que separava as duas casas,
um pardalzinho curioso decidiu pousar.

Olhava agitado de um lado para o outro,
e em sua mente,
algo estava a procurar.

Seria uma apetitosa minhoca,
para levar aos seus filhotes?

Um petisco de larva,
ou estava apenas,
dando uma espiadinha,
para poder relaxar?

Quando os cãezinhos os veem,
a confusão está instalada!

É latido para todos os lados.

O passarinho nem liga,
continua a observar,
os vasinhos de plantinhas,
da casa da vizinha,
para depois resolver,
para bem longe voar.


Elza Ghetti Zerbatto




Romantismo na natureza

  Um meigo golfinho nariz de garrafa,  retira algas com seu focinho,  para dar graciosamente á sua amada,  em uma ...