18/06/2018

A casinha de cachorro (crônica)























Em um centro hortifrutigranjeiro de uma cidade grande, um casal carregava suas compras em direção ao seu carro.
Era um dia frio de outono, e chovera no dia anterior, as ruas estavam então um pouco enlameadas.
Quem já andou por ruas sujas de barro, sabe os estragos que essas fazem nas roupas, sapatos, pedestres e mesmo nos carros.
De repente ao lado do casal, passa um homem aparentando uns 35 anos, forte, moreno, e vestia uma calça de sarja branca.
Andava em passos apressados, e tinha uma expressão de ironia no rosto.
Ele olhava para a parte de trás da calça, na altura dos joelhos e dizia:
 - Ai, meu Deus!
 - Hoje vou dormir na casinha do cachorro.
 Gesticulava e falava sozinho, imitando sua esposa, que ficaria "feliz" ao ver sua roupa com pingos cor de barro.
 O casal riu muito da cena inusitada, e a mulher disse:
 - Imagina a bronca que ele vai levar!
 O marido riu e ambos entraram no carro.


 Elza Ghetti Zerbatto




Imagem: https://pt.pngtree.com

11/06/2018

Conservação ambiental em São Paulo - Convite MICA
















|


 O MICA (Movimento InfantoJuvenil Crescendo com Arte convida a todos:
No próximo dia 12 de junho ocorrerá uma reunião, em roda de conversa no Museu Florestal Otávio Vecchi.
Este local nasceu com a missão de cultivar o amor ás árvores.
Nesse encontro o bate-papo será, sobre a conservação ambiental em São Paulo, e os desafios atuais do museu florestal, em uma conversa informal com direito á café, chá, e boas histórias.
Horário: das 14 ás 16 horas
Local: Museu Florestal que fica no Parque Estadual Albertino Lofgren no Horto Florestal na Rua do Horto, 931




Imagem pertencente ao blog do MICA, e autorizada para fins únicos de divulgação





04/06/2018

A joaninha pretinha


















Uma joaninha pretinha,
na mão da menina pousou,
quando esta foi mexer,
com as plantinhas existentes,
nos vasinhos.

Por alguns instantes,
paradinha ali ficou.


A menina nela fez um carinho,
ficou admirando,
seu pequenino tamanhinho.

Engraçada e mimosa,
ficou ali bem faceira.

A menina respeitou,
a vontade da joaninha,
deixando-a voar,
na mais plena liberdade,
toda alegrinha!



Elza Ghetti Zerbatto




imagem: https://www.baixaki.com.br

24/05/2018

Romantismo na natureza



















 Um meigo golfinho nariz de garrafa,
 retira algas com seu focinho,
 para dar graciosamente á sua amada,
 em uma tentativa de conquistá-la.

 Um ato de romantismo na natureza,
 único entre o reino animal,
 e presente entre os humanos,
 porém somente aos mais sensíveis.


Elza Ghetti Zerbatto







 imagem: https://pt.dreamstime.com/










17/05/2018

Vitor e a chuva















Vitor é um garotinho de apenas 4 anos.
Inteligente, curioso, que adora a natureza observar.
Um dia estava na janela de seu quarto, olhando para o céu quando de repente escureceu.
Ele saiu correndo, tremendo e chamou sua mãe.
- Mãe, tô com medo. Tá chovendo muito e tá cheio de luz lá no céu.
- Calma Vitor,  é assim mesmo. - responde dona Flora.
- Mãe o que é essa luz toda no céu?
- São os raios e trovões que acompanham a chuva. - diz dona Flora.
- Mãe, como é que a chuva nasce?
A mãe sorri e responde:
- Meu querido é muito simples. - responde dona Flora.
- Você pode me explicar? - pergunta Vitor.
- Claro! Vamos lá! - responde dona Flora.
- Sabe a água que a gente toma banho, lava roupa, casas e tantas outras coisas? - pergunta dona Flora.
- Sei sim mamãe. - responde Vitor.
- Ela evapora, ou seja vira vapor, que é uma fumaça, vai para o céu e encontra-se com as nuvens de água que  já existem lá.
- Depois volta para a terra molhando tudo novamente. O ar frio encontra o ar quente, e derruba a água para cá em forma de pingos de chuva. 
- Quer dizer que a água lá de cima já morou aqui embaixo?  - indaga Vitor.
- É verdade filho. É isso mesmo. - responde  a mãe.
- Mas e as águas dos rios, praias e cachoeiras mamãe? 
- Por que elas não evaporam? - pergunta Vitor.
- Elas são sempre conservadas pela chuva e seu ciclo e também evaporam. - responde a mãe.
- Mas elas podem brotar também do interior da terra que conserva-as guardada. - continua a mãe.
- Nossa mamãe que legal! - diz Vitor.
- Mas será que a água de nosso planeta pode um dia acabar mamãe? - pergunta Vitor
- Infelizmente pode sim meu querido. - diz a mãe.
- Nossa que coisa mais triste mamãe! - diz Vitor.
-E com isso acabaria a vida aqui na Terra?  - pergunta Vitor.
- Sim filho. Sem água limpa, ninguém consegue sobreviver. - diz a mãe.
- O ser humano, os animais, as plantas, enfim toda natureza depende dela para existir. - diz a mãe.
- Nosso corpo é formado de 75% de água dentro dele. - diz a mãe.
- Sem ela morremos e é por isso que é importante a gente cuidar direitinho dela e nunca desperdiçá-la. - diz a mãe.
E Vitor ouve tudo atentamente, só pensando em cada palavra que sua querida mamãe diz.
- Agora entendo mamãe como a água é importante.Vou avisar meus amiguinhos para a gente não deixar ela acabar. - diz Vitor.
- É isso mesmo filhinho. - diz dona Flora.
-Vamos incentivar todos, para ajudar cuidar da nossa amiga água. - diz dona Flora.
- A natureza e nosso planeta agradecerão! - diz dona Flora.



Elza Ghetti Zerbatto



imagem: www.baixaki.com.br

08/05/2018

Concurso Internacional MICA tema: Portas e janelas do meu país












Concurso Internacional Arte pela Paz 19ª Edição



Para crianças e jovens de 4 a 16 anos
MICA - Movimento Infanto Juvenil Crescendo com Arte
Museu Florestal Octávio Vecchi
São Paulo - Brasil

Professor(a) - Instituição: Realize uma pesquisa com seus alunos sobre o tema

tendo como objetivos o conhecimento,as importâncias históricas, cultural e social, e a valorização artística, das janelas e portas de seu país.
Dê preferência ás janelas e portas de sua cidade.
E que as portas e janelas escolhidas representem sempre limiares para a paz.
Crianças e jovens devem ser estimulados a preservar o meio ambiente, a responsabilidade social e, acima de tudo, a paz.
Não há paz, onde não há qualidade de vida.






Por favor, divulgue este concurso para crianças e jovens de sua família, amigos, colegas de trabalho,
vizinhos, professores, escolas, instituições que atendem crianças e jovens.
O trabalho também pode ser enviado em nome de um condomínio, em nome de uma empresa (os filhos e parentes de funcionários), clube, academia, biblioteca, hospital, ou individualmente.



Regulamento em português:
https://artmica.blogspot.com.br/p/portas-e-janelas-do-meu-pais_73.html






Rules in english
https://artmica.blogspot.com.br/p/international-contest-2018.html




Fotos e textos pertencentes ao blog do MICA, e copiados integralmente para fins únicos de divulgação, com a autorização da proprietária do blog Maria José Canária.







03/05/2018

Que barulho é esse?














                                                       








                                                                      







No degrau da porta da cozinha,
a curiosa Afrodite,
olhou, olhou,
procurando intrigada,
de onde vinha o barulho insistente.

A vovó logo notou,
o causador da admiração.

Logo em seguida então o Posseidon apareceu,
para ver o que estava ocorrendo.

O onomatopéico som,
ritmado e constante,
vinha da máquina de lavar,
que estava operante e falante.

Depois do mistério ter sido esclarecido,
Afrodite e Posseidon foram embora,
e a vovó aproveitou para escrever,
mais uma aventura de seus netinhos.

Elza Ghetti Zerbatto


Afrodite de cachecol, á sua direita está o Helio,  e Posseidon de cachecol vermelho abaixo.

A casinha de cachorro (crônica)

Em um centro hortifrutigranjeiro de uma cidade grande, um casal  carregava suas compras em direção ao seu carro. E...