25/11/2015

A faminta lagartinha












Uma faminta lagartinha,
devora com vontade,
as folhas de maracujá rapidamente.

Mal as folhinhas nasceram,
ainda estão pequeninhas,
e a levada mocinha,
sacia sua fome ansiosamente.

Nem deu tempo de florir,
os brotos acabaram de nascer,
mas nada se pode fazer,
afinal a lagartinha,
logo virará uma crisálida,
e depois se tornará,
uma linda borboletinha.

Voará para todos os lados,
encantando as pessoas,
com leve e alegre bailado.

A natureza é sábia,
para tudo há sempre uma razão,
o que para uns é destruição,
para ela é renascimento e transformação!


Elza Ghetti Zerbatto

Texto publicado em 04/01/2013 no Recanto das Letras

imagem: www.baixaki.com.br

19/11/2015

Cigarrinha cantadora










Canta, canta cigarrinha,
pela árvore a vibrar,
a primavera está chegando,
e ela vai se destacar.

Canta, canta cigarrinha,
sozinha ou com sua turminha,
uma pequena soprano,
que com sua uníssona melodia,
traz a todos sua ritmada harmonia.

Canta, canta cigarrinha,
pela terra ou pelo ar.

O que é mais interessante,
é a lição que ela nos dá,
esteja alegre ou esteja triste,
o importante é cantar.

Por onde ela passa com seu soar,
traz beleza e tristeza,
sua sonora presença,
deixa mais vibrante a natureza!

A amiga cigarrinha,
vem a todos mostrar,
que uma nova estação,
mais florida e bonita,
está prestes a despertar.

Elza Ghetti Zerbatto


imagem: www.baixaki.com.br

10/11/2015

Lá vem o terror das meias











Estava tudo quieto no quarto quando de repente, ouve-se um burburinho vindo do guarda-roupa.
- Não quero ser rasgada. - diz a meia roxa.
- Socorro, o terror vem chegando! - diz a meia cinza.
- Meu Deus, não quero ficar furada.Minha dona ficará irritada e me jogará fora!
- E agora o que faremos?
De repente ouve-se um barulhão abrindo a porta.
Eram os cães da casa entrando no quarto, deixando tão apavoradas as meias que nem respiravam mais.
Momentos de tensão e medo no ar.
De repente a dona diz:
- Quem autorizou vocês a entrarem aqui?
- Fora, fora, fora!
E só se via a cachorrada abanando o rabo, e por sorte nenhum local foi urinado ou objeto roubado.
As meias suspiraram felizes e aliviadas.
- Ah! Essa foi por pouco amigas. - diz a meia preta.
- É mesmo. - diz a meia branca.
- O tal do Helio não nos pegou.
- Tomara que nossa dona nunca mais nos esqueça largada. - diz a meia roxa.
- Mais um dia de vida feliz meninas! - diz a meia cinza.
- Vamos descansar.
- É isso mesmo.Só se for agora. - diz a meia roxa.
E a paz retornou ao ambiente rapidamente.

Elza Ghetti Zerbatto


Texto publicado em 17/08/2015 no Recanto das Letras
Foto  de minha autoria de meu netinho Helio, que inspirou esse conto.

03/11/2015

O gatinho na janela














Um lindo gatinho branco e preto,
entre  o vidro e o vão da janela,
está quietamente a observar,
o mundo barulhento e agitado,
com seu perdido olhar.

O que será que está,
a sua cabecinha a pensar?
Sonhará com liberdade de lá de fora,
ou com uma gatinha para namorar?

O distraído felino,
forma uma figura ímpar.
Como um  delicado bibelô,
na vidraça a enfeitar.


Elza Ghetti Zerbatto

Texto publicado em 5/5/2015 no Recanto das Letras

Imagem: pt.hallpic.com

A magia da dança cigana

Muito mais do que uma simples dança, é um canal para liberação, da magia e alegria de viver. Cada movimento faz, a ...