30/01/2015

Ipê branco










Em contraste com o céu azulado,
destaca-se o belo ipê-branco,
com suas delicadas flores,
formando um manto cor de algodão,
esparramado pelo chão.


Elza Ghetti Zerbatto




Publicado em 30/09/2014 no Recanto das Letras

imagem: www.baixaki.com.br

19/01/2015

O pássaro e o poeta










O vento balança as folhas pra lá e pra cá.
Sua brisa traz leveza,
uma suave pausa para  forte calor.

Enquanto o pássaro voa alto,
desliza suavemente pelo céu,
o poeta sonhador fica a invejar,
seus movimentos harmoniosos,
com vontade de ter asas,
e poder com eles brincar.

Outros pássaros surgem,
para participarem desta dança,
nesse momento de integração.

Uns pousam nos fios da rede elétrica,
outros passeiam pelos telhados,
ao fundo o sol quase se pondo,
o poeta se sente renovado.

Elza Ghetti Zerbatto

Texto publicado no Recanto das Letras em 4/11/2014

Imagem:  www.ultradownloads.com.br

12/01/2015

Zefa, a vaquinha faladeira









Na fazenda da Vó Zinha,
a bicharada era muito animada,
e todos viviam felizes.

As galinhas botavam seus ovos,
cantando alegremente.
Os galos não tinham preguiça,
de cedinho acordar,
com muita garra e energia,
iam ao sol saudar.

Os porquinhos brincavam,
empolgadamente no chiqueiro.
Os cavalos gostavam de trotar,
pelos pastos verdes,
relinchando a prosear.

Porém quem era figura mais engraçada,
dessa fazenda agitada,
era a Zefa,
a vaquinha faladeira.

Fosse quem estivesse á frente,
com ela tinha de conversar,
senão ela não parava de mugir,
e o ambiente agitar.

Seu dia começava cedo,
mugia para o sol,
para os pássaros,
para os insetos,
para as plantas,
e pra lua também!

Os outros bichos riam muito,
do jeito de Zefa,
que era uma simpática tagarela.

Com ela ninguém fica sem falar,
e até mesmo o sisudo Vô Zinho,
não resistia ao seu charme,
e vinha com ela prosear.

Um dia Zefa acordou triste,
e resolveu não mais falar.
Todos amigos ficaram preocupados,
pensando e discutindo o que estaria,
na sua cabeça e coraçãozinho  a se passar.

Uma das galinhas perguntou:
- Será que ela está doente?
Um dos porcos respondeu:
- Pode ser.
Um dos cavalos então disse:
- Precisamos um médico chamar.
Um dos galos disse:
- Como vamos chamar um médico se os humanos não nos entendem?
O porquinho Mingau etão falou:
- A Vó Zinha vai perceber.
- É verdade. - disseram todos ao mesmo tempo.

O tempo passava e nada de Zefa falar.
A fazenda perdeu a cor.
A alegria não mais existia.
O lugar desencantou-se.

Vó Zinha que era muito apegada,
a todos animais e fã de Zefa,
conversou com o Vô Zinho,
e resolveram um veterinário chamar.

Explicaram o ocorrido,
e o doutor a examinou,
mas nada havia de errado.

O que será que aconteceu então?

De repente começou a engordar,
e num dia de madrugada mugia tanto.
que todo mundo acordou assustado.

Para a surpresa de todos,
um lindo bezerrinho nasceu,
e Zefa voltou a falar!

Todos comemoraram,
a deliciosa surpresa.
Zefa falava pelas patas sem parar,
e agora tinha mais motivo.

Afinal de contas,
não é todo dia,
que uma nova vida,
vem até a fazenda pra ficar!


Texto publicado em 17/11/2014 no Recanto das Letras

Imagem: www.baixaki.com

O que há no olhar de um cão?

  O que há no olhar de um cão que tanto encanta? emoção, profundidade, verdade, amizade, devoção, alegria, pureza. Olhar...